Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

António Sousa Homem

Crónicas de um reaccionário minhoto.

António Sousa Homem

Crónicas de um reaccionário minhoto.

A romagem a Ponte de Lima

A melancolia do velho casarão de Ponte de Lima não vem dos seus granitos seculares nem dos corredores por onde entrava aquela luz ténue, filtrada por reposteiros que impediam a entrada do Verão pleno, total e do seu calor minhoto. Bem vistas as coisas, sou o único testemunho desse tempo que terminou sem glória e sem arrebatamento, discretamente, num fim anunciado pelo andamento do mundo.

O retrato de Dom Miguel poderia ser outra das testemunhas da grandeza e orgulho da família – periodicamente cuidado em Braga (ironia das ironias: é para lá transportado, de dois em dois anos, pela minha sobrinha Maria Luísa, a esquerdista da família). Mas a crueldade da política arrastou-o nos últimos duzentos anos apenas nas nossas recordações e numa fidelidade rara e incompreensível, só possível no Minho e numa família que aprendeu o caminho das travessias do deserto e que mantém ali dependurado o “mais belo dos príncipes”, como sustentava a Tia Benedita – um excesso que se desculpa numa senhora que se recusava a viajar até Tuy. Os Homem, orgulhosos das suas alianças, não o esqueceram nem deixaram de o honrar.

Por isso, em Junho a família prepara a sua romaria anual até Ponte de Lima, depois de ter achado – há uns anos – que o calor de Agosto era demasiado inclemente para suportar a peregrinação. Trata-se de uma visita anual a esse velho casarão de granitos e heras escuras, onde os Homem de outros séculos viveram períodos de felicidade e irrelevância, ignorando a imprensa, a internet, o défice, a educação sexual nas escolas e o constitucionalismo. Vivi parte desses tempos, nos Verões da infância, entre os seus muros que tombaram e foram reerguidos, e tombaram de novo, e de novo foram levantados. Foi esta a nossa vida: assistir à queda, reerguer ruínas, passar discretamente, ser grato.

O preço desse heroísmo discreto foi elevado, por vezes. Um primo afastado decidiu, um dia, para vingar uma afronta à pátria, anunciar – na longínqua Macau – a invasão da China. Fê-lo à revelia de avisos sensatos e da ausência do governador; a China não moveu uma pálpebra: contratou uma divisão de bandidos e dinamitou o navio que, a meio do Rio das Pérolas, se preparava ainda para içar o estandarte. Ainda hoje se fala nos “miguelistas de Macau” como de um grupo de visionários improváveis, para não dizer mais. É em nome dos visionários improváveis que, todos os anos, abrimos os reposteiros de Ponte de Lima e regressamos ao casarão. A luz entra, ilumina o passado. 

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D