Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

António Sousa Homem

Crónicas de um reaccionário minhoto.

António Sousa Homem

Crónicas de um reaccionário minhoto.

Sobre a velha e a nova ortografia

 

É muito raro – ou porque já não tenho idade ou porque nunca tive feitio –eu pisar o risco. A última vez que fui acusado de “pisar o risco” ocorreu há uns meses, quando a D. Fernanda Cachão me telefonou do jornal, em certa terça-feira tardia, lembrando-me da necessidade de “mandar a crónica”. D. Fernanda foi generosa e tentou diminuir a minha culpa, associando-se ao cronista e informando que “estávamos”, ambos, “a pisar o risco, senhor doutor”.

Foi por isso com surpresa que atendi o seu telefonema na semana passada, em vésperas do Natal, porque a crónica “já tinha seguido” (o que prova o quanto me habituei à linguagem do jornalismo moderno, feito de prazos e de contagem de palavras). Não era isso; D. Fernanda agradecia a crónica mas lembrava que o jornal ia adoptar o Acordo Ortográfico – e que era preciso decidir se eu preferia “a antiga ortografia”.

O assunto nunca se tinha colocado. Vagamente, por piada, à mesa e em hora de maledicência, falava-se do Acordo Ortográfico como de uma baleia que tivesse dado à costa nos areais de Ofir. Para todos os efeitos, sempre julguei que o Acordo Ortográfico fosse uma excentricidade do professor Cavaco e do governo do eng.º Sócrates (porque assentava bem a ambos – a um, na falta de sensibilidade; a outro, na ignorância), com a ajuda de filólogos a quem o Prof. Lindley Cintra tinha dado má nota. O caso é que sempre mantivemos que o assunto não era para levar a sério. Engano profundo, o meu; a Dra. Celina, a nossa bibliotecária de Caminha, informou-me que era para tomar a sério o atrevimento e que havia, mesmo, um decreto a marcar o prazo para mudarmos de alfabeto.

Ora, de entre as coisas que me não assustaram ao longo da vida fazem parte a ortografia brasileira e as mudanças na ortografia portuguesa. A Tia Benedita, por exemplo, nunca mudou de ortografia supondo que o senhor Dom Miguel não a teria autorizado; o tio Alberto, bibliófilo e gastrónomo de S. Pedro de Arcos, escrevia tão bem que não precisava de regras ortográficas; o velho Doutor Homem, meu pai, recorria a dicionários e a Camilo para tirar dúvidas, embora continuasse a pensar em inglês; quanto aos meus sobrinhos, tirando Maria Luísa, suponho que não escrevem. Quando, no escritório, chegava carta dos nossos correspondentes brasileiros, limitávamo-nos a sorrir do samba que vinha nas entrelinhas e da sintaxe do século XIX.

“E optamos por que ortografia?”, perguntava D. Fernanda, angustiada, do outro lado. “Pela antiga”, murmurei com medo de ser repreendido. “Pela da Tia Benedita?” Antes fosse.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D